Pessoas envolvidas em esquemas de pirâmide podem ser presas

   
Você ficou sabendo que, na última segunda-feira, 24, o norte-americano James Matthew Merril, um dos donos da empresa TelexFree, que se apresenta como fornecedora de serviços de voz, assumiu a culpa em nove acusações da empresa? Entre elas, o cofundador declarou-se culpado pelos crimes de fraude e conspiração. Merril poderá ficar preso nos EUA por até dez anos.
 
O brasileiro Carlos Wanzeler, que também é um dos fundadores da Telexfree, está foragido. Dias antes de ser expedida a ordem de prisão contra os donos da empresa, em 2014, ele veio para o Brasil, onde pode ser beneficiado pela Constituição do país, que impede a extradição de brasileiros para o exterior. Nos EUA, a Telexfree foi formalmente acusada de atuar sob um esquema de pirâmide financeira e teve seus bens bloqueados.
 
O escritor Edmundo Roveri, especialista em Marketing, com ênfase em Multinível e Vendas Diretas, alerta que “as pirâmides financeiras somente se sustentam através da entrada de novas pessoas nesse esquema”. Em contrapartida, o especialista afirma que o Marketing Multinível “é um modelo de remuneração utilizado para manter a força de vendas de produtos e serviços, onde o pagamento de comissões, bônus ou prêmios são destinados não só ao profissional que faz a venda como também à sua linha patrocinadora”.
 
Apesar de as pirâmides financeiras usarem o modelo de negócio do Marketing Multinível para sustentar sua atividade ilícita, é possível notar algumas diferenças. Confira a seguir alguns pontos que o especialista Edmundo Roveri, que tem três livros publicados na temática de Marketing Multinível e Vendas Diretas, considera:
 

Pirâmides

 
• Faz com que os indivíduos façam aportes financeiros para que, em determinado prazo, recebam muito mais do que investiram, sem vender qualquer produto ou serviço;
 
• A cada recrutamento, o dinheiro é distribuído pela cadeira, chegando a seu maior volume ao idealizador do golpe, que sempre ficará com a maior fatia;
 
• A estrutura do negócio se sustenta enquanto há pessoas ingressando no esquema. Quando para de entrar gente, a cadeia sofre um colapso, prejudicando financeiramente a última pessoa que entrou no esquema.
 

Multinível

 
• Se uma pessoa deixar de recrutar outra para ser distribuidora, a empresa não quebra. Apesar disso, se os que já estavam antes no negócio continuam vendendo e/ou consumindo produtos e serviços, o negócio também mantém;
 
• Ninguém pode falar que perdeu dinheiro, nem mesmo o último que entrou, pois este poderá vender produtos e serviços para consumidores finais, sem cadastrar novos distribuidores no negócio. Afinal, ele pagou um preço irrisório para entrar no negócio;
 
• A única forma de perder dinheiro é quando o empreendedor investe em viagens, treinamentos, elaboração de materiais de publicidade e outras coisas que ele faz de forma espontânea e que não se trata do padrão de trabalho adotado na indústria.
 
Acompanhe o especialista Edmundo Roveri nas redes sociais e fique por dentro das novidades relacionadas a esse assunto que ele compartilha: @edmundoroveri, no Instagram; e Edmundo Roveri, no Facebook.